Como a Blockchain pode combater a hiperinflação na África

A hiperinflação poderia diminuir usando a Blockchain para simplificar a necessidade de acordos nacionais

A hiperinflação astronômica é um resultado econômico invejável, que afetou vários países nos últimos anos, principalmente o Zimbábue, a África do Sul e a Venezuela. 

Não é apenas o medo da inflação cada vez maior, que fertilizam a imaginação de pensadores livres, conhecedores de tecnologia em tais nações, um grupo está buscando aumentar a demanda por soluções alternativas baseadas em Blockchain. 

É doloroso observar a devastação causada pela hiperinflação, com os cidadãos tentando freneticamente preservar qualquer valor que puder, diante de circunstâncias econômicas estreitas. 

Naturalmente, algumas pessoas se voltam para alternativas monetárias mais sólidas durante esses episódios, como os defensores da criptomoeda, posicionado a Blockchain como a solução para a inflação em toda a África. 

O voo do decreto

Os benefícios tangíveis da adoção da criptomoeda, particularmente para as economias africanas que trabalham sob alta inflação, são múltiplos.

A facilidade com que os sistemas monetários baseados em Blockchain aprimoram o comércio, foi demonstrada além do continente africano e dentro de suas fronteiras. 

A África do Sul, por exemplo, permitiu pagamentos, negociações e investimentos baseados em moeda digital, contribuindo significativamente para o crescimento global. 

  • Veja também: África bate um novo recorde de volume de Bitcoin

A capacidade dos sul-africanos de se beneficiarem com as trocas locais e negociar moeda fiduciária por Bitcoin, ou outros ativos de criptomoeda, na atual taxa de mercado contrasta fortemente com os infortúnios de cidadãos em países como a Nigéria, Zimbábue e Quênia, cujos governos adotaram uma visão sombria dos ativos de moedas digitais. 

O Bitcoin oferece muitas promessas para esses países, considerando o risco, por exemplo. A criptomoeda é transparente, imutável e completamente diferente de qualquer outro ativo financeiro, é a própria antítese das moedas fiduciárias, que os líderes que controlam estão propensos a denegrir à vontade através de impressão devassa. 

Os mercados em desenvolvimento, incluindo a África, inclinados a representar metade de todas as transações não monetárias em todo o mundo até 2021, parece que é o momento certo para a Blockchain obter um espaço maior. 

Uma Década em construção

No passado recente, o Bitcoin provou ser totalmente capaz de superar outros ativos, como um veículo de investimento e uma reserva de valor, além de fornecer aos cidadãos meios de transferir fundos para dentro e fora de seu país. 

Como foi o caso da Grécia, banco fechado em 2015, crise de liquidez, interrupção do mercado de ações, venda de ativos, agitação política, desvalorizações estruturais da moeda. A criptomoeda passou por muitas ondas e sobreviveu a uma década de testes adversários, ao mesmo tempo, em que gradualmente ganhou confiança entre os partidos inicialmente céticos. 

O interesse particular entre os cidadãos africanos, são que a criptomoeda pode ser armazenada, gerenciada e acessada com segurança de qualquer lugar do mundo. 

Além disso, transações não monetárias dessa natureza proporcionam benefícios mensuráveis à sociedade, especificamente ao combater o flagelo persistente da corrupção. 

  • Veja também: Cosmos terá nova blockchain feita sob medida para jogadores

Imagine os benefícios a serem obtidos com a substituição de um sistema oculto, em que a capacidade de criar e regular dinheiro é um direito auto-designado dos bancos centrais. 

Muitas vezes, a tecnologia Blockchain é descrita como, uma resposta natural as décadas de gerenciamentos financeiros secretos e injustos.

Isso é confirmado por uma nova pesquisa da “Digital Assets Data”, que indica o uso do Bitcoin como uma reserva de valor e alternativa fiduciária em países com alta inflação. 

De fato, o volume de negociação do Bitcoin parece aumentar em países afetados pela alta inflação e bancos instáveis, mesmo quando o preço do Bitcoin cai. 

A queda dos preços em dezembro de 2017 e dezembro de 2018, viu o volume de negócios em países com baixa inflação cair cerca de 70%, enquanto para os países com alta inflação, aumentou 60%. 

Blockchain: uma única invenção com inúmeras aplicações

Outra vantagem notável de uma maior adoção da Blockchain na África, é o aumento da concorrência provocada pela proliferação das moedas digitais. 

Essa competição servirá não apenas para estimular o mercado de moedas (e o mercado financeiro, em geral), mas também colocará mais poder nas mãos dos consumidores e dos cidadãos comuns. 

Nesse cenário, os bancos tradicionais que buscam manter seu status, devem aceitar a ideia de servir melhor o consumidor, por um processo de inovação e reforma progressiva. 

  • Veja também: 66% do Hashrate do Bitcoin é controlado pela China

A natureza descentralizada das criptomoedas de fornecimento fixo é incrivelmente atraente, em um contexto africano afetado pela inflação, devido a uma combinação de instabilidade familiar, corrupção, políticas desastrosas do banco central e processuais que circunscrevem os serviços financeiros tradicionais. 

Obviamente, existem ameaças sobre a moeda digital, independentemente do crescente interesse da população. 

A reação vem de corretores de energia do sistema financeiro global, como governos, bancos centrais e reguladores, nenhum dos quais desejam romper o monopólio antigo da emissão de moeda. 

A verdade é simples, a tecnologia Blockchain oferece a possibilidade de um futuro melhor para as nações africanas prejudicadas pela hiperinflação. 

Recentemente, um discurso do governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, informou o potencial da moeda digital para atrapalhar o domínio do dólar americano, observando que, o estoque de dólares se tornou uma grande barreira ao comércio global.

Tal resultado, poderia impedir que a África sofresse ser “atrelada” em importação e exportação em dólares dos EUA, embora qualquer moeda digital nascente deva considerar o comércio interno africano e o comércio intra-continental, para evitar a inflação acima mencionada. 

O melhor da Blockchain, é que ela permite desassociar as moedas, bem como a criação de novas lojas digitais, sustentadas por moedas globais. Essas criptomoedas locais dependem de valores e transações locais, imunizando as economias de oscilação em outros lugares.

O Yuan digital tem potencial quando combinado com o abrangente “cinturarão e rota” da China, expansão econômica e o programa de investimento para contornar e dominar o dólar.

Muitos acreditam que não haverá uma moeda para governar todas as outras, mas, na verdade, uma proliferação de tokens e Blockchains.

As cadeias de blocos podem ser usadas para simplificar a necessidade de acordos nacionais, e também considerar a complexidade das economias locais, talvez por isso, 15 operações relacionadas a criptomoeda foram iniciadas na África apenas no ano passado.

Muito dos cidadãos dos países africanos perderam a confiança no sistema bancário tradicional, e aguardam ansiosamente o dia em que a liberdade e a segurança financeira se tornarem direito humano básico e não um luxo para a elite. 

Ainda há trabalho significativo a ser feito para garantir que a tecnologia Blockchain realize todo o seu potencial na África, como meio de troca, reserva de valor e remessa. 

Á medida que as crises econômicas se intensificam e as moedas nacionais vacilam, cresce ainda mais, o interesse nas criptomoeda.

A Blockchain é uma solução prática para um problema no mundo real, que ressoa com quem vive em um país atingido pela inflação no continente de 1,2 bilhão. 

  • Veja também: Presidente do Banco Central Europeu reconhece stablecoins

Imagem de RyanMcGuire por Pixabay.

Fonte: Nasdaq

The post Como a Blockchain pode combater a hiperinflação na África appeared first on Webitcoin.

Please follow and like us:
error

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *